Pesquisar este blog

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Você não define o que é certo ou errado!

Um último traço pelo qual o Apóstolo caracteriza os falsos irmãos de Filipos é este: Eles põem sua glória naquilo que é enganoso.
 
Ele tira vaidade de seus próprios pecados; mais ainda: ele os chama de virtudes. Sua hipocrisia ele chama de retidão; seu falso zelo, de fervor. Os sutis venenos de Satanás, ele os reveste da etiqueta dos santos remédios de Cristo. O que ele chama de vício nos outros, nele mesmo ele considera como qualidade.
 
Ele cuida de realçar a menor fraqueza na conduta do outro; ninguém o ultrapassa em habilidade; e enquanto ele acaricia à vontade seu pecado favorito, ele olha as faltas de seus irmãos através de uma lente de aumento. Quanto à sua própria conduta, ela não diz respeito a ninguém. Ele pode pecar impunemente; e se seu pastor, por acaso, lhe faz alguma observação, ele se indigna e o acusa de calúnia. As observações, não mais que as advertências, jamais o atingem.
 
Quem ousaria colocar em dúvida sua piedade? Oh! Meus irmãos, meus irmãos, não façam, pura ilusão! Muitos pretensos membros de Igreja serão um dia membros do inferno. Muitos homens admitidos em uma, ou outra, de nossas comunidades cristãs, que receberam a água do batismo, que se aproximam de nossa mesa sagrada, que talvez, mesmo, tenham a reputação de estarem vivos, não estão menos mortos, em relação ao espiritual, que os cadáveres em seus sepulcros.
 
Hoje em dia é fácil se fazer passar por um filho de Deus! No lugar da renúncia, do amor por Cristo, da mortificação da carne, o pouco que se exige é aprender alguns cânticos, aprender algumas banalidades piedosas, algumas frases convencionadas, e vocês se imporão, mesmo aos eleitos. Filiem-se a uma Igreja qualquer; mostrem uma conduta exterior, de tal sorte que lhes possam considerar respeitável, e se vocês não conseguirem enganar os mais lúcidos, ao menos terão uma reputação de piedade bem estabelecida para lhes permitir andar com o coração aliviado e a consciência à vontade, no caminho da perdição.
 
Eu sei, meus amados, que eu digo coisas duras, mas são coisas verdadeiras; por isso não posso calar. Meu sangue borbulha algumas vezes em minhas veias, quando encontro homens cuja conduta me dá vergonha, ao lado de quem eu ousaria apenas me sentar, e que, no entanto, me tratam, com convicção, de "Irmão". O quê? Eles vivem no pecado, e chamam um cristão de irmão! Oro a Deus que lhes perdoe seu desvio de conduta; mas eu declaro - eu não posso de jeito algum me confraternizar com eles, e nem quero, até que se conduzam de uma maneira digna de sua vocação.
 
Certamente, todo o homem que faz de seu ventre um Deus e que põe sua glória naquilo que é enganoso, é completamente culpado; mas quando esse homem se veste com a roupa da religião, quando conhece a verdade, a qual ele ensina como necessária, faz abertamente profissão de ser um servo de Cristo, quanto mais culpado é ele! Vocês conseguem conceber, meus irmãos, um crime mais atroz que aquele do hipócrita audacioso que, mentindo a Deus e à sua consciência, declara solenemente que pertence ao Senhor e que o Senhor lhe pertence, depois vai viver como vive o mundo, anda seguindo o curso do presente século, comete as mesmas injustiças, persegue os mesmos objetivos, usa dos mesmos meios que aqueles que não são chamados pelo nome de Cristo?
 
Ah! Se houvesse nesta assembléia alguém que devesse confessar que este é o seu pecado; que chore, sim, que chore lágrimas de sangue, porque a enormidade de seu crime é maior do que poderíamos dizer!

Pr. Charles Haddon Spurgeon

Áudio da Ministração: Rebele-se!



Ministração realizada na noite do dia 28 de outubro de 2012.

Esboço Ministração: Rebele-se!


Texto básico: Romanos 7: 18-25.
Romanos 7:18-25
18 - Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem.
19 - Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço.
20 - Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim.
21 - Acho então esta lei em mim, que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo.
22 - Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus;
23 - Mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros.
24 - Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?
25 - Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Assim que eu mesmo com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado.

Introdução:
Na próxima quarta-feira celebramos os 495 anos da Reforma Protestante, que foi um movimento cristão iniciado no início do século XVI pelo monge católico Martinho Lutero, quando através da publicação de suas 95 teses, em 31 de outubro de 1517 na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, protestou contra diversos pontos da doutrina da Igreja Católica Romana, propondo uma reforma no catolicismo romano. Os princípios fundamentais da Reforma Protestante são conhecidos como os Cinco solas.
Sola fide (somente a fé); Sola scriptura (somente a Escritura); Solus Christus (somente Cristo); Sola gratia (somente a graça) e Soli Deo gloria (glória somente a Deus).
Pois bem, de uma maneira extremamente resumida contamos o início da expressão “protestante”, aqueles que se rebelaram contra um evangelho contrário às Escrituras.
Nesta noite gostaria de te convidar a ser mais um protestante, um rebelde, te garanto que será por uma boa causa, aliás, por uma excelente causa: SUA VIDA.
O convite que o Espírito Santo faz nessa noite é o mesmo desde a fundação do mundo: REBELE-SE CONTRA SI MESMO, rebele-se contra a natureza pecaminosa, proteste contra as atitudes que te afastam de Deus, observe que me referi a afastar-se de Deus, não do seu amor, pois nada poderá nos afastar do amor de Deus.
No texto de referência vemos um Paulo mais próximo de nós, um homem como outro qualquer, que luta ardentemente contra sua própria natureza humana, não como algo vago, mas contra si mesmo, suas atitudes, suas práticas e posturas.

Desenvolvimento:
1.    Só nos rebelamos contra o que consideramos mau (v.18)
Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem.
Não podemos ser rebeldes sem causa, ninguém protesta ou se rebela contra algo bom, saudável, é necessário identificar que há algo extremamente mau em nós, por isso não descansarei enquanto não ver esse mau sufocado.

2.    O rebelde sabe exatamente o que precisa ser mudado (v. 19).
Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço.
O apóstolo Paulo deixou exposta sua fraqueza, ele sabia exatamente o que precisava ser mudado, suas atitudes, posturas, ele sabia precisamente que precisava fazer, mas também sabia que não conseguia fazer tudo, pelo contrário, fazia o mal que não devia.

3.    O rebelde identifica a causa do que precisa ser mudado (v.20 e 21)
20 - Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim.
21 - Acho então esta lei em mim, que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo.

Paulo se referia ao pecado que habitava em sua carne, desejos, apesar do novo homem interior não aprovar o pecado que ainda vivia em sua carne.
A expressão “carne” possui duas conotações bíblicas: 1) no sentido não moral para descrever a existência física do homem e 2) num sentido moralmente mal para descrever a humanidade do ser humano não redimido, ou seja, o remanescente do ser humano que permanecerá com cada cristão até que ele receba o corpo glorificado.

4.    O rebelde tem algo que julga ser bom (v. 22)
Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus;
Paulo havia encontrado Jesus, passou o governo de sua existência a Ele, nascera de novo e sabia disso, sabia que um novo homem interior não aceitava o que a velha natureza teimava fazer, havia prazer em cumprir a lei de Deus.
Para se rebelar contra si mesmo é preciso ter algo melhor para substituir a velha situação, se não entregar a vida a Cristo não tente se rebelar, pois as consequências certamente serão desastrosas.

5.    O rebelde é um guerreiro (v.23)
Mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros.
Paulo lutava contra a natureza humana, não se conformava, ele tinha um alvo bastante claro: O CÉU.
I Coríntios 9:26-27
26 - Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar.
27 - Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.

6.    O rebelde vai às últimas consequências pela sua causa (v. 24 e 25).
24 - Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?
25 - Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Assim que eu mesmo com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado.
Paulo preferia a morte a viver daquele jeito, porque seu velho homem teimava em querer dominá-lo.

Conclusão.
Romanos 8:1
PORTANTO, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.
O texto esclarece com todas as letras que a justificação só ocorre mediante a fé, segundo a imensa graça de Deus e que nenhuma condenação há ou haverá para aqueles que andam segundo o Espírito.
Nenhuma pecado alvo de arrependimento e confissão que um cristão, alguém que está em Cristo, cometa – no passado, presente ou futuro – poderá ser colocado contra ele, uma vez que o preço foi pago por Cristo e a justiça lhe foi imputada.
Nenhuma pecado jamais mudará a decisão legal de Deus em te justificar.
Romanos 8:33
Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica.

Pr. Eduardo Henrique


BIBLIOGRAFIA
Bíblia de Estudo MacArtur
Bíblia de Estudo Plenitude
Bíblia de Estudo Dake
Bíblia Hábil
Novo Testamento Interlinear (SBB)
Manual Bíblico (SBB)

Esboço Ministração: Metamorfose


Texto básico:
Romanos 12:2
E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.

Introdução.
Nesta semana comecei a ministrar aula para os novos policiais da PMPE, ingressaram há pouco mais de um mês, e no início da primeira aula comecei a falar sobre as mudanças que a nova profissão traria para suas vidas.
De imediato começaram a relatar que os familiares deles já estavam comentando sobre o novo vocabulário, com palavras típicas da caserna como positivo, negativo; sobre o jeito de andar mais ereto; sobre a atenção e cuidado ao estar em locais públicos, como não sentar de costas para a porta em restaurantes; sobre a forma como enxergam a atividade policial, enfim, uma mudança radical de vida.
Também nessa semana terminou uma das novelas mais vista dos últimos tempos, não assisti um capítulo sequer e recomendo que não percam tempo com esse tipo de programa, contudo em todos os tipos de noticiários, que seja televisivo, rádio, jornal, revistas, web e todos os mais que existirem só se falava nisso. Pois bem, esse novela, como tantos outros programas televisivos, produzem uma mudança de hábitos, vocabulário, vestuário de uma maneira impressionante.
Nesta noite Deus me exorta a levá-lo a uma reflexão profunda sobre as mudanças que realmente pretendemos para nossas vidas, vamos caminhar juntos pela Palavra de Deus.

Desenvolvimento.
1.    A metamorfose é sobrenatural.
Na minha caminhada conheci muitas pessoas que tiveram hábitos, vocabulário, sotaque e posturas mudadas por causa do novo ambiente em que passaram a viver ou pelo tempo que investiram para estar em contato com determinados programas ou amizades, contudo também observei que essas mudanças foram externas, não internas, foram mudanças produzidas pela adaptação ao ambiente, pois o ser humano é extremamente adaptável, em resumo: foram transformações naturais.
No texto de romanos a palavra original do grego para transformação é metamorphoo, que significa transformação, transfiguração, a mesma palavra utilizada para a transfiguração de Cristo quando apareceu com o corpo glorificado para os apóstolos quando oravam no monte.
Mateus 17:1-2
1 - SEIS dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, e a Tiago, e a João, seu irmão, e os conduziu em particular a um alto monte,
2 - E transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz.

2.    A metamorfose é de dentro para fora.
Transformados pela renovação da vossa mente, entendimento.
A transformação que o evangelho opera é sobrenatural, é de dentro para fora, não é uma adaptação ao ambiente, não é apenas ritualística, de hábitos, vocabulário ou costumes, embora produza esses efeitos.
Deus estava se referindo ao local onde principia todas as nossas atitudes, A MENTE.
Colossenses 3:2
Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra;
Só uma coisa nos céus, na terra e debaixo da terra é capaz de mudar os pensamentos e a vida de um homem, o evangelho.
Romanos 1:16
Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego.
Deus transforma o homem transformando a mente. E como isso acontece? Considerando a glória de Cristo...
Olhar para ele é tornar-se como ele. Quando Cristo governa seus pensamentos, ele transforma você de um nível de glória a outro até – aguarde! – você estar pronto para morar com ele.
O céu é a terra de mentes sem pecado... Verdade absoluta. Sem medo ou raiva. Vergonha e suposição são práticas de uma vida anterior. O céu será maravilhoso, não porque as ruas são de ouro, mas porque nossos pensamentos serão puros.
Então, o que você está esperando? Dê a ele seus melhores pensamentos, e veja se ele não transforma sua mente.

3.    A metamorfose só acontece com o novo nascimento.
João 3:1-5
1 - E HAVIA entre os fariseus um homem, chamado Nicodemos, príncipe dos judeus.
2 - Este foi ter de noite com Jesus, e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele.
3 - Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.
4 - Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?
5 - Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.
É disso que Jesus fala: “Não venha me dizer o que você fazia antes, não me importa o que você fazia. Importa-me o que você era. O que faz diferença para mim é o quanto a minha Palavra conseguiu transformar o seu coração a ponto de transformá-lo numa pessoa melhor”. De você olhar para trás e dizer: “Antes eu era assim, e pela força do Evangelho fui mudado”. Você percebe que a sua vida não é mais a mesma, porque o evangelho mudou o seu jeito de pensar, modificou o seu jeito de ser.
Só o novo nascimento produz nova mente, a nova mente produz novas motivações, que, por sua vez, produzem nova história de vida a ponto de, mesmo que o corpo adoeça e se deteriore, a mente e o espírito permaneçam perfeitos e renovados.
II Corintios 4:16
Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.

4.    A metamorfose produz um novo homem
A metamorfose do evangelho certamente produzirá as mudanças de que falamos no início, hábitos, vocabulário, vestimenta, posturas, pois os pressupostos para as atitudes foram mudados pela força do evangelho, não haverá mais nada do velho homem, apenas novidade de vida.
Efésios 4:22-32
22 - Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano;
23 - E vos renoveis no espírito da vossa mente;
24 - E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade.
25 - Por isso deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo; porque somos membros uns dos outros.
26 - Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira.
27 - Não deis lugar ao diabo.
28 - Aquele que furtava, não furte mais; antes trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade.
29 - Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem.
30 - E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção.
31 - Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós,
32 - Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo.

Conclusão.
Como o evangelho produzirá essa metamorfose? Da mesma maneira que ocorrem as mudanças naqueles novos policiais: convivendo e conhecendo mais e mais aquilo que abraçaram.
              Tenho pedido e clamado que Deus mude muitas coisas em minha vida, assim como certamente vocês fazem, observe que falo não de mudanças em torno de minha vida, mas mudanças em mim, exclusivamente em mim e a resposta que tenho recebido de Deus é só uma: SE RELACIONE MAIS COMIGO, INVISTA MAIS TEMPO NESSE RELACIONAMENTO, POIS SÓ ASSIM SERÁS PARECIDO COMIGO.

              Pr. Eduardo Henrique

BIBLIOGRAFIA
Bíblia de Estudo MacArtur
Bíblia de Estudo Plenitude
Bíblia de Estudo Dake
Bíblia Hábil
Novo Testamento Interlinear (SBB)
Manual Bíblico (SBB)



domingo, 28 de outubro de 2012

Por que isso está acontecendo comigo


"Todos os filhos de Israel murmuraram."
Números 14.2


Há murmuradores entre os cristãos agora, como houve no antigo acampamento de Israel. Há aqueles que, quando a vara cai sobre eles, reclamam contra a situação aflitiva. Perguntam: "Por que estou sendo assim afligido?

O que fiz para ser castigado desta maneira?" Uma palavra para você, ó murmurador! Por que murmura contra as dispensações de teu Pai celestial? Pode Ele tratá-lo mais duramente do que merece? Considere o rebelde que você já foi, e, no entanto, Ele o perdoou! Certamente, se Ele, em sua sabedoria, considera apropriado este sofrimento agora, você não deve queixar-se. Afinal de contas, foi você poderia estar sofrendo tão asperamente quanto seus pecados merecem?

Considere a corrupção que há em seu peito, e então se surpreenderá de que haja necessidade de mais reprimenda por vir à luz? Avalie-se e reconheça quanta escória está misturada com seu ouro; imagina o fogo mais forte necessário para purgar a escória que carrega? Esse seu orgulhoso espírito rebelde não prova que o seu coração não está completamente santificado?

Essas palavras queixosas não são contrárias à natureza submissa dos filhos de Deus? Não é necessária a correção? Mas, se murmurar contra o castigo, esteja atento, pois ele será mais drástico para os murmuradores. Deus sempre castiga seus filhos duas vezes, se não suportarem pacientemente a primeira vergastada. Mas saiba uma coisa: "Ele não aflige com disposição, nem magoa os filhos dos homens." Todas as suas correções são enviadas em amor, para purificá-lo e atraí-lo para mais perto dele.

Certamente, isto deve ajudá-lo a suportar o castigo com resignação, se é capaz de reconhecer a mão de seu Pai. Pois "o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe. É para disciplina que perseverais (Deus vos trata como a filhos]" (Hebreus 12.5-7). "Nem murmureis, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador" (1 Coríntios 10.10).

Pr. Charles Haddon Spurgeon

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

O que procurar em uma igreja?


Clareza sobre o evangelho da graça. Existem muitas falsificações, especialmente as distorções do evangelho que fazem do pecado algo de que você não precisa se afastar ou se libertar. Atente cuidadosamente para o conforto e o chamado do evangelho. Primeiramente, preste atenção em Jesus dizendo, “Eu não te condeno”. Porém, também procure por “vá e não peques mais”. Essa ordem é muito importante. A remoção da condenação vem antes do chamado à obediência. Todavia, ambos precisam estar lá para que a igreja pregue o evangelho.
Pregação centralizada em Cristo. Talvez você esperasse que eu dissesse  “pregação expositiva”, mas é possível entregar uma exposição de um texto da Escritura sem nunca chegar a Jesus Cristo. Isso é especialmente verdadeiro em pregações no Antigo Testamento. Não me lembro quem disse isso, mas se a exposição do Antigo Testamento que você está ouvindo não for rejeitada por uma sinagoga, então o pregador não está pregando a Cristo. A exposição da Escritura é o meio pelo qual chegamos a Jesus. Entretanto, este é o meio, não o fim, da pregação de Jesus Cristo e este crucificado.
Adoração pública teologicamente informada. Os elementos básicos da adoração estão presentes: leitura pública da Palavra, exortação e ensino das Escrituras, canções, orações, e os sacramentos do batismo e da Ceia do Senhor? Além desses elementos básicos, procure por músicas com letras que exaltem a Jesus Cristo e aprofundem sua apreciação e compreensão do evangelho da graça. Não estou dizendo que canções curtas como “Eu te amo, Senhor” não têm lugar na adoração pública, mas se o conteúdo das músicas para a adoração pública, como um todo, é superficial, isso deveria te levar a pensar.
Pessoas hospitaleiras. Se o evangelho está realmente fazendo a diferença em uma comunidade de cristãos, eles vão amar as pessoas desconhecidas, e não daquele jeito bajulador e falso “Estou-contente-por-você-estar-aqui-porque-eu-tenho-que-estar-contente-por-você-estar-aqui”. O que quero dizer é que você se sente genuinamente acolhido e amado pelas pessoas quando as encontra e passa tempo com elas adorando.
Disciplina da igreja. A disciplina na igreja tem recebido uma reputação desfavorável. Ela não pode ser reduzida apenas a disciplina final e punitiva, mas deve incluir também um aspecto formativo. A disciplina da igreja acontece quando os seus membros estão dispostos a voltarem uns aos outros de volta para Jesus em um chamado amoroso ao arrependimento, através do encorajamento no sofrimento, e de exortações para crescer em graça.
Compaixão para com os pobres. 1 João 3.17 diz que se nós, que temos recursos materiais, vemos nosso irmão em necessidade e não nos compadecemos dele ele, não temos o amor de Deus em nós. Assim, é um teste da fé cristã autêntica que a igreja se preocupe com os pobres. Mais do que isso, o nosso cuidado para com os pobres, embora deva dar prioridade à comunidade dos crentes, deve se mover para além da igreja, para a comunidade ao seu redor: “façamos o bem a todos, mas principalmente aos da família da fé” (Gálatas 6.10).
Preocupação para com os perdidos, evidenciada por uma igreja comprometida com o evangelismo pessoal.  E por “comprometida com o evangelismo pessoal” não quero dizer uma igreja que tenha programas evangelísticos, mas uma igreja em que as pessoas amam seus próximos o suficiente para lhes falar sobre Jesus. Portanto, procure por um interesse sincero em alcançar os perdidos com o evangelho da graça por parte dos pastores e das pessoas nos bancos da igreja, não como forma de obter melhores números nos gráficos, mas porque eles amam verdadeiramente as pessoas como pessoas, não como potenciais evangelísticos.

Por: R. W. Glenn © Redeemer Bible Church. All Rights Reserved. Original: What to Look For in a Church
Tradução: Cleber Filomeno. iPródigo.com | Original: O que procurar em uma igreja?

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

O PIERCING SALVOU A MINHA VIDA


Nunca pensei que, tomar a decisão de fazer uma modificação no corpo, seria correr o risco de se tornar um herege ou uma ovelha que se perdeu do rebanho.
Pois, foi o que ouvi por parte de alguns, principalmente pelos que professam ser seguidores de Cristo Jesus.
Bom. Falta de Jesus no coração à parte, quero falar-lhes sobre essa tal modificação, e mostrar que começar a viver o Evangelho de Jesus, é como fazer uma modificação no seu corpo.
Pra se fazer uma modificação corporal, em primeiro lugar é preciso saber e entender que tomar essa decisão, será carregá-la eternamente e que não poderá fazê-la simplesmente por modinha ou por influência de outros.
É preciso que seja uma decisão sua, uma decisão que seja feita a partir de suas próprias convicções e experiências pessoais.    
Portanto, é necessário que haja realmente uma reflexão a respeito do assunto, pois, logo de início você terá que enfrentar todos os dissabores e até mesmo rejeição de alguns que diziam ser seus amigos e principalmente seus familiares.
No ato da modificação, logo de saída precisa-se de uma dose elevada de coragem para suportar a dor da penetração das agulhas no seu corpo até o final de toda a arte, e essa dor perdurará por mais algum tempo. Sem contar no alto preço que pagará pela modificação.   
Por mais que faça a arte pra sua própria contemplação, inevitavelmente terá que mostrar aos outros, então é o que tem em você que será mostrado, por isso deve valer a pena.
Nos primeiros dias, sabendo que existe algo de diferente em você, será tomado por uma extrema sensação de euforia e de alegria e vai se sentir na quase que obrigação de contar e mostrar a todo o mundo o que há de novo seu estilo de ser.
Por isso, deve-se tomar um cuidado redobrado na limpeza diária, para que a cicatrização não se transforme numa inflamação e posteriormente se torne em doença.
Eu fiz essa modificação em mim!!!
Passei por todos esses processos citados acima. E agora colho os frutos da beleza que essa modificação me causou.
Você está disposto a carregar as marcas da modificação pro resto da sua vida?
Está preparado para ser visto por muitos com os olhos do preconceito e da discriminação?
Lembre-se que essa modificação dói e não volta mais ao normal. É para sempre.
Assim é a decisão de viver o Evangelho de Jesus. É de uma vez por todas. Pois quem coloca a mão no arado...vocês já sabem.
Quer mudar? Mude!!!
Mais mude com a convicção de dentro do seu coração, sabendo que essa decisão é pessoal e intransferível, e que ninguém poderá fazê-la por você.
Pois pra viver o amor que Cristo vive, é preciso uma modificação radical no seu ser.
Uma modificação que dói, mas vence o mundo com o poder regenerador do amor.


“ Tenho por mim que, o prego que pregou Jesus na cruz, foi o PIERCING QUE SALVOU A MINHA VIDA “.    

Douglas Elle


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Já tomou banho hoje?


Poucas vezes você desce de uma leitura solitária da Bíblia sem sentir que se aproximou de Deus. Digo solitária, pois o perigo de ler com outras pessoas é que os comentários sem interesse possam ser como moscas no pote de unguento  O estudo da Palavra com oração não é apenas um meio de instrução, mas também um ato de devoção no qual o poder transformador da graça é muitas vezes exercido, nos mudando à imagem daquele em quem a Palavra é espelhada. Por fim, será que há algo que seja como a Palavra de Deus quando livros abertos encontram corações abertos? Quando leio sobre as vidas de homens tais como Baxter, Brainerd, McCheyne e muitos outros, eu me sinto como alguém que se banhou em algum riacho fresco depois de ter feito uma viagem através de um campo árido que o deixou empoeirado e deprimido; e isso é resultado do fato de que tais homens incorporaram a Bíblia em suas vidas e a ilustraram em sua experiência.

         O lavar-se pela Palavra foi o que eles tiveram, e é o que nós precisamos. Precisamos obter isso no lugar em que eles o encontraram. Ver os efeitos da verdade de Deus nas vidas de homens santos confirma a fé e estimula a aspiração santa. Não há outras influências que nos ajudem a chegar a tão sublime ideal de consagração. Se você ler os livros babilônicos de hoje, alcançará o espírito deles, e é um espírito estranho que o desviará do Senhor seu Deus. Você também pode sofrer grande dano com sacerdotes que têm a pretensão de falar o dialeto de Jerusalém, mas metade de sua mensagem é de Asdode: eles confundirão sua mente e profanarão sua fé. Pode acontecer que um livro que em seu todo seja excelente, com poucas máculas, possa lhe fazer mais mal do que um completamente mau. Cuide-se, obras dessa natureza são lançadas como nuvens de gafanhotos.

         Quase não se pode achar nesses dias um livro que seja inteiramente isento do levedo moderno, e a menor partícula dele fermenta até produzir o erro mais insano. Ao ler livros da nova ordem, embora possa não aparecer nenhuma mentira palpável, você fica consciente de estar recebendo uma distorção e um declínio no tom de seu espírito, portanto, esteja alerta. Mas com a Bíblia você sempre pode estar descansado; ali todo sopro de cada direção traz vida e saúde. Se você se conserva próximo do livro inspirado, não sofrerá mal algum; ao contrário, estará no manancial de todo bem moral e espiritual. Isso é alimento adequado para homens de Deus: é o pão que nutre a vida mais elevada.

Pr. Charles Haddon Spurgeon

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Esboço da ministração: Que amor é esse?


Texto básico:
Lucas 15:11-32
Introdução.
Ouvi, ia escrever por acaso, mas não há acasos para aqueles que creem nas Escrituras, uma canção que fez muito sucesso há algum tempo atrás, Eu te amo tanto (Lázaro) e há uma frase que me chamou atenção de uma maneira especial: POR QUE ME QUERES TANTO ASSIM?
Porque Ele iria querer alguém tão inconstante, que O deixou falando sozinho várias vezes, que fez piada dos seus sentimentos, que mesmo após ser ajudado inúmeras vezes disse que não o conhecia, que começou um relacionamento sério e o traiu e abandonou.
Pensei durante alguns dias na resposta dessa pergunta e a resposta que recebi do Senhor uma resposta simples e objetiva: PORQUE TE AMO! Mas que amor é esse? Que é tão maltratado e permanece imutável?

Desenvolvimento.
Algumas características desse amor:
1.    Pessoal
Deus nos conhece, nos considera e nos ama de forma pessoal. Deus ama a cada um como filho único. Deus conhece você, suas necessidades, seus anseios, seus planos, suas dificuldades, suas qualidades e o ama como filho único e como você é.
Certa vez perguntaram a uma mãe qual dos filhos ela amava mais e sabiamente aquela mulher respondeu: aquele que está precisando mais de mim é o que mais amo naquele momento.

2.    Escancarado
20 - E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou.
Devemos entender que o amor verdadeiro sempre estará patente, nunca obscuro, mas logo se entende que ele é real pelos seus efeitos, ou pela atitude de quem o possui.
Observe que o pai correu ao encontro do filho, talvez para não dar tempo de desistência, para ajuda-lo a chegar em casa (o filho estava fraco em todos os aspectos), para demonstrar ao filho e a todos o quanto era amado e importante.
Romanos 5:8 – Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.

3.    Justo
Logo sendo Deus amor, mas também justiça, pela sua própria natureza de justiça julgará a cada um segundo as suas próprias obras. Sendo o homem por natureza pecador e Deus por natureza justo, Deus não poderia deixar de julgar ao homem de maneira justa, ou seja, condenando-o.
É aí que se manifesta o grande amor de Deus, ele se fez homem, para que pela sua morte, ou seja, a morte do único homem absolutamente justo, os pecados dos homens pudessem ser depositados sobre ele, que morreu uma morte substituta por todos.

4.    Incondicional
I João 4:19
19 - Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro.
Algumas pessoas acham que precisam “esforçar-se” para que Deus as ame. “Se eu for “bom” Deus me ama. Se eu for “mau” Deus não me ama”. Isto também não é verdade. Deus ama e aceita você do jeito que você é. Deus não nos ama “em troca” do que fazemos ou somos. Deus não nos ama colocando condições.
É um amor sem questionamentos, aquele pai não fez qualquer pergunta ao filho, não lançou em seu rosto a ingratidão, não reclamou de seu mau cheiro e da sujeira que trazia impregnada em seu corpo e vestes.

5.    Constante
Deus nos ama com o mesmo amor, todos os dias. O Seu amor não é vacilante, não oscila, é sempre constante. Não é como o nosso que depende da nossa disposição de amar num dia e já no outro não estamos mais dispostos a amar, seja porque fizeram algo contra nós, seja porque estamos mal-humorados ou doentes.

6.    Generoso
29 - E saindo o pai, instava com ele. Mas, respondendo ele, disse ao pai: Eis que te sirvo há tantos anos, sem nunca transgredir o teu mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com os meus amigos;
Deus não nos trata como nós merecemos. Dente por dente, olho por olho. Deus nos dá muito mais do que aquilo que nós imaginamos, queremos e merecemos.
Observe que o filho fiel nunca havia recebido do pai uma festa como aquela.

7.    Desinteresseiro
O amor de Deus que se basta em si mesmo, nos ama só para nos fazer o bem.
Salmos 116:12
12 - Que darei eu ao SENHOR, por todos os benefícios que me tem feito?
O que daremos ao Senhor que Ele já não tenha?
Adoração? Ele tem a melhor;
Louvor? Ele tem querubins e serafins fazendo isso vinte e quatro horas por dia;
Riquezas? Ele é o dono de todo ouro e prata;
Tempo? Ele é o Senhor do tempo.

Conclusão.
Não importa quem você é ou o que você faz, você é muito importante para Deus. Para Deus você é único e insubstituível, por isso ele não desiste nunca de você.
POR QUE ME QUERES TANTO ASSIM? POR QUE JUSTAMENTE EU?
Porque escolho as coisas loucas para confundir as sábias;
Porque escolho os que não são para confundir os que são;
Porque escolho os fracos e desprezíveis para aniquilar as fortes;
Porque quero enxugar suas lágrimas;
Porque quero limpar tuas vestes;
Porque te quero perto de mim;
Porque quero ser teu Deus;
Porque quero passar a eternidade contigo;
PORQUE TE AMO!