Pesquisar este blog

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Edificar sobre fundamento alheio, o que é isso?



Romanos 15:20
E desta maneira me esforcei por anunciar o evangelho, não onde Cristo foi nomeado, para não edificar sobre fundamento alheio;

Apesar de ter lido esse texto várias vezes, senti a necessidade de estudá-lo um pouco mais pois creio que, assim como eu, outros também possuem dúvidas a respeito do tema, portanto vamos às conclusões que cheguei após minhas investigações.
Creio que para entender o tema precisamos ser metódicos, assim será necessário saber um pouco sobre o chamado do apóstolo Paulo.
É sabido que Paulo foi chamado para pregar aos gentios, os não judeus, conforme ele próprio declara neste mesmo capítulo da carta aos Romanos, mais precisamente no versículo 16, quando afirma “Que seja ministro de Jesus Cristo para os gentios, ministrando o evangelho de Deus, para que seja agradável a oferta dos gentios, santificada pelo Espírito Santo”, em outras palavras, ele foi levantado por Deus para estabelecer os fundamentos do evangelho, este é o chamado de qualquer evangelista, inclusive nos dias atuais, estabelecer o fundamento do evangelho (grifo nosso), ou seja, a salvação apenas em Cristo, pela graça de Deus e mediante a fé, aleluia!
Outro aspecto importante a ser ressaltado é que o amado Paulo tinha consciência exata de seu papel no Reino, estabelecer o fundamento, entretanto ele sabia que outros tinham o chamado de edificar sobre esse fundamento, conforme deixou claro em I Coríntios 3:10-11, Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele (grifo nosso); mas veja cada um como edifica sobre ele.Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.
O apóstolo dos gentios, como ficou conhecido, compreendia também que os outros apóstolos estavam estabelecendo o fundamento em outros lugares, como ele declarou na carta aos Efésios 2:20, “Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina”, por este motivo ele declarou que não iria a lugares onde o fundamento já havia sido estabelecido, pois se isto fizesse não estaria cumprindo seu chamado de plantar a fundação do evangelho, mas estaria edificando, construindo, o que não era o seu chamado.
Corroborando esse raciocínio, cito o comentário bíblico de Romanos 15:20 da Bíblia de Estudo MacArthur, uma das mais conceituadas no meio teológico protestante mundial:
“O objetivo de Paulo era alcançar aqueles que nunca haviam ouvido o evangelho – a função principal de um evangelista do NT (Ef 4.11). Entretanto, para pastores e mestres, construir sobre a fundação estabelecida por esse tipo de evangelista é a parte mais importante do ministério deles (cf 1 Co 3.6)”
Em outras palavras, é necessário que alguém edifique sobre o fundamento, não necessariamente aquele que estabeleceu o fundamento.
Me referi tanto à palavra edificar que tornou-se importante citar sua origem no grego, assim, buscando auxílio no léxico Strong, começamos a descortinar aspectos importantes, conforme descrevemos abaixo.
Edificar – do grego “oikodomeo”, possui alguns significados, dentre eles citamos: 1) edificar uma construção a partir da fundação, aqui se referindo uma edificação de pedra e cal; 2) fundar, estabelecer; 3) promover crescimento em sabedoria cristã, afeição, graça, virtude, santidade, bem aventurança e 4) crescer em sabedoria e piedade.
Diante desses significados, especificamente os itens 3 e 4, fica óbvio que a intenção do apóstolo era afirmar que não tinha intensão de promover o crescimento em sabedoria cristã, afeição, graça, virtude, santidade e bem aventurança sobre fundamentos estabelecidos por outros, pois não deveria abandonar seu chamado primordial, tanto é que deixou discípulos nas igrejas que estabeleceu para que a edificação, conforme descrito acima, fosse erguida.
Alguns exemplos de edificadores em fundamento alheio são Apolo e Timóteo, apesar de não terem estabelecido o fundamento, foi Paulo, edificaram, ou como afirma as Escrituras, regaram, I Corintios 3:6, Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento.
Outro aspecto importante a ser ressaltado é que a igreja em Roma não foi estabelecida por Paulo, alguns teólogos afirmam que foram crentes advindos do pentecostes, e mesmo assim ele escreveu essa maravilhosa carta aos romanos, ainda que seu fundamento tenha sido estabelecido por outros (alheio a Paulo), bem como desejou estar com eles para edificar sobre a igreja, conforme observamos em Romanos 1:10-13, “Pedindo sempre em minhas orações que nalgum tempo, pela vontade de Deus, se me ofereça boa ocasião de ir ter convosco. Porque desejo ver-vos, para vos comunicar algum dom espiritual (grifo nosso), a fim de que sejais confortados; Isto é, para que juntamente convosco eu seja consolado pela fé mútua, assim vossa como minha. Não quero, porém, irmãos, que ignoreis que muitas vezes propus ir ter convosco (mas até agora tenho sido impedido) para também ter entre vós algum fruto(grifo nosso), como também entre os demais gentios”.
Observe que o desejo de estar em Roma era para comunicar algum dom espiritual, para ter fruto entre eles, enfim, edificar sobre um fundamento que não estabelecera.
Queridos irmãos em Cristo, desconheço uma igreja cristã protestante que não tenha em seu rol de membros pessoas que entregaram suas vidas a Jesus em outra igreja e que, livremente, decidiram congregar naquele novo lugar; desconheço que pastores chamados por Deus rejeitem ovelhas oriundas de outro rebanho, pelo simples fato de terem seu fundamento de fé sido estabelecido noutro lugar. Se observarmos atentamente veremos que estas questões dizem mais respeito ao sentimento de posse de algumas pessoas em relação às ovelhas, que não são nossas, mas de Deus.
É importante ressaltar que sou radicalmente contra a prática de buscar ovelhas em outros rebanhos, convidando-as a saírem de onde estão (mais conhecida como pescar em aquário alheio), muitas vezes através de “profetadas”, como também sou radicalmente contra pessoas que tentam carimbar outras pessoas como propriedade privada de determinado ministério.
Sempre fui adepto da ideia de que as pessoas precisam estar onde se sentem bem, são acolhidas e se adaptam melhor, quem caminhou comigo pode testemunhar o que afirmo, isso é a multiforme graça de Deus que, em seu maravilhoso plano de alcançar a humanidade, produziu tantos ministérios com características tão diferentes.
Finalizando, preciso registrar que não quero ser o dono da verdade nem tenho a pretensão de esgotar o assunto, apenas apresento o meu ponto de vista sobre o tema, desejando que você, leitor, possa pesquisar mais e tirar suas próprias conclusões.
Sola Escriptura.

              Pr. Eduardo Henrique




Bibliografia:
Bíblia de Estudo MacArthur
Bíblia de Estudo Shedd
Bíblia de Estudo Plenitude
Bíblia de Estudo Dake
Bíblia Hábil
Manual Bíblico da sociedade Bíblica do Brasil